Caso de uso Brivia + TAIL: Testando a efetividade das audiências 1st party

Caso de uso Brivia + TAIL: Testando a efetividade das audiências 1st party
79

Se preferir, você pode ouvir o áudio do conteúdo ao invés de ler:

Quando se trata de estratégia de segmentação, os testes A/B são a melhor forma de entender a efetividade de grupos de audiências.

Mais do que isso, é importante determinar o período correto para os testes, garantindo maior clareza no momento da análise dos resultados.

A Brivia, parceira da Tail, realizou recentemente um teste de efetividade das audiências 1st party de um anunciante em comparação com as segmentações de prateleira das plataformas de mídia. Confira os resultados neste artigo. Boa leitura! 

O desafio da Brivia

A Brivia é uma das mais completas operações de estratégia, experiência e comunicação, com visão e execução integrada e multidisciplinar. Focada e especializada em transformação digital de grandes marcas, atua também na concepção, no desenvolvimento e na orquestração das plataformas de experiência ao usuário, além dos serviços de comunicação como agência full service. Tudo de maneira sistêmica e integrada, com o cliente sempre no centro de todo o processo. 

Ao planejar a campanha de um cliente do setor financeiro, o desafio era incentivar a instalação de aplicativo para o público propenso a abrir conta corrente e solicitar empréstimos.

A Brivia tinha acesso a uma base própria de clientes em potencial fornecida pelo anunciante e poderia trabalhar com ela nas plataformas de mídia para ativação e construção de lookalike.

Primeira rodada de testes

Em um primeiro momento, essa base proprietária (1st party) do anunciante foi incorporada na plataforma da Tail por meio do CRM Onboarding, a fim de garantir a conformidade com a LGPD, evitando, assim, que os dados fossem imputados sem criptografia nas ferramentas de mídia.

A partir disso, foi realizada uma conexão entre a Tail DMP e a conta do anunciante no Facebook, a fim de veicular o primeiro teste de efetividade, que comparou os dados 1st party com as segmentações de interesse disponibilizadas no Facebook.

Ao final desta primeira veiculação, as segmentações do Facebook resultaram em melhor performance, registrando uma taxa de 0,27% de instalações, enquanto as audiências 1st party registraram 0,19%.

Segunda rodada de testes

No segundo cenário de testes, o 1st party foi comparado com as bases de propensão do cliente, e foi aí que as audiências 1st party disponibilizadas por meio da TAIL DMP apresentaram uma performance mais relevante, registrando uma taxa de 0,68% de solicitações enviadas para análise, enquanto as bases de propensão geraram 0,31%.

A conclusão do estudo

Ao comparar a efetividade das segmentações utilizadas no teste, notou-se que:

• A base de interesses do Facebook conseguiu a maior taxa de envio de proposta de abertura de conta para análise, fechando em 62%, enquanto as audiências 1st party do cliente alcançaram 44%.

• Já em relação às solicitações de empréstimos, as audiências proprietárias representaram 25% do total, enquanto a base de interesses 16%. 

Contudo, o teste realizado pela Brivia concluiu que o 1st party do cliente em pouco tempo se mostrou tão efetivo quanto as segmentações terceiras adquiridas nas plataformas de mídia, comprovando que sua utilização precisa ser analisada a longo prazo e com estratégias de comparação bem definidas.

Se você deseja conhecer outros casos de uso da Tail com seus parceiros, saiba como a utilização de segmentações por faixa de renda pode alavancar os resultados no mercado imobiliário e em outros setores.