Como usar audiências baseadas em geolocalização em suas campanhas

Como usar audiências baseadas em geolocalização em suas campanhas
81

Está sem tempo para ler? Aperte o play e ouça o conteúdo em áudio.

Parte da rotina dos profissionais de marketing, o uso de geolocalização para orientar estratégias é bastante proveitoso – seja para atingir um público de um local específico com alguma comunicação, ou, para impulsionar vendas em uma determinada cidade.

Nesta ação de segmentar e regionalizar a sua atuação de marketing com o uso de geolocalização, encontram-se diversas nuances que podem potencializar a sua estratégia.

Sair do básico pode ser garantia de uma conversão mais eficiente. Por isso, este conteúdo irá mostrar como aproveitar melhor esse recurso nos seus processos diários.

Como a geolocalização ajuda o marketing

A principal contribuição da geolocalização para o marketing é a atribuição de inteligência de dados com base em pontos geográficos às estratégias. Assim, a vantagem está no fato de que se torna possível utilizar as informações de rastreamento ativas ou passivas deixadas pelos usuários de forma eficiente para o alcance do resultado que se deseja.

Quando falamos sobre informações ativas ou passivas, estamos nos referindo à forma como os dados são coletados. O GPS ativado no celular das pessoas gera uma referência de localização de forma automática e contínua. Isso é um registro passivo. 

Outro exemplo é quando o usuário faz uma pesquisa no Google por “locais próximos”, por exemplo, e a ferramenta consegue identificar, então, aonde essa pessoa está para registrar sua geolocalização.

Já o conceito de registro ativo de localização está mais relacionado a quando o usuário publica uma foto e marca um local, ou faz “check-in” em um restaurante ou loja e, assim, registra-se a sua localização etc. São ações específicas do usuário direcionando para esse rastreamento.

Em ambos os casos, os dados de localização ficam registrados, e as empresas podem aproveitar todo esse potencial para tornar suas estratégias de marketing mais efetivas.

Estratégias de geomarketing que você pode utilizar

Vamos começar esse tópico com uma provocação: você provavelmente já está de posse de todos os dados de geolocalização de que precisa para implementar uma estratégia de marketing baseada nisso.

Sim, essa hipótese vem dos pontos que explicamos antes sobre como são feitos os registros de geolocalização. Ou seja, é muito mais comum do que a gente pensa, e acaba acontecendo, por parte do usuário, de forma natural e até imperceptível, em muitos casos.

Sendo assim, comece agora mesmo a explorar mais todo esse potencial. Você pode ir por alguns caminhos para se tornar ativo na utilização da geolocalização em prol do seu negócio, confira.

Geotargeting

Um dos caminhos mais comuns — e já mais popularizados entre os profissionais de marketing e vendas — é o uso de listas segmentadas por geolocalização. Neste caso, o objetivo é criar campanhas, disparar e-mails,  lançar condições específicas ou personalizar alguns aspectos do seu site com base na localização geográfica do público. 

As principais ferramentas que podem ajudar nessa ação são o Google AdWords e o Facebook Ads.

Geofencing

Um pouco mais complexa, a estratégia de geofencing consiste em, como o conceito em inglês sugere, “cercar” o usuário com base em sua geolocalização. Aqui o intuito é aproveitar o sinal de GPS do usuário em tempo real, verificando onde ele está e agindo com a entrega de campanhas, estímulos, anúncios e publicações associadas a isso.

Essa estratégia tende a ser mais utilizada por negócios pequenos e locais, quando é interessante captar usuários que estão passando próximo à loja, por exemplo. Lembre-se de que você pode enviar as notificações e campanhas por e-mail ou SMS, mas também pode fazer isso através de pop-ups no seu aplicativo.

Geofiltros

Dando início à seção de ações ativas do usuário, vamos falar sobre os geofiltros. Essa prática é bastante semelhante à marcação de localização em publicações de redes sociais. Os geofiltros são aqueles recursos disponibilizados por redes como o Snapchat e o Instagram, em que o usuário seleciona um filtro que indica o local geográfico em que ele está.

Com base nisso, as marcas podem coletar e aproveitar essas informações até mesmo em estratégias de geotargeting, já apresentadas anteriormente neste conteúdo.

Check-ins

O check-in é um recurso muito utilizado por lojas e restaurantes, ou seja, especialmente comércios físicos, para “obrigar” o usuário a divulgar a marca em questão no seu feed e, de quebra, obter dados de quando e como aquela pessoa frequentou o seu estabelecimento.

Mesmo que você não deseje tornar o check-in uma medida obrigatória para que os usuários consumam os seus produtos ou serviços, o estímulo à prática é válido e bem-vindo. Solicite um check-in para acessar o wifi, por exemplo, ou para gerar algum cupom de desconto em um produto. 

Geotagging

Por último, geotagging é a marcação ativa do usuário sinalizando a geolocalização em que se encontra. Dos três formatos ativos de indicação de localização pelos usuários, o geotargeting é um dos mais bem aceitos. Por ser considerado menos invasivo na rotina do usuário, acaba sendo até do interesse deles mostrarem onde estão seus amigos e seguidores.

Por isso, a dica de hoje é: aproveite todo esse potencial para deslanchar a sua estratégia de marketing baseada em audiências segmentadas por geolocalização. Fale com a Tail e saiba como nossas soluções de Inteligência de Dados para Marketing podem ajudar!