Cookies first party: como criar uma estratégia de dados

Cookies first party: como criar uma estratégia de dados
79

Se preferir, você pode ouvir o áudio do conteúdo ao invés de ler:

Com o anúncio do Google Chrome de que deixará de suportar cookies 3rd party gradualmente ao longo de 2022, a importância dos cookies first party ganhou ainda mais relevância. Veja neste artigo como montar uma estratégia eficaz usando essa ferramenta.

Os cookies de terceiros deixarão de existir. As mudanças anunciadas pelo Google só terão efeito ao longo de 2022 portanto, há tempo para o mercado se adaptar. 

O Google Chrome é, com ampla vantagem, o navegador de maior alcance no mercado, com aproximadamente 70% de market-share. A empresa responsável pelo browser confirma que futuramente os Cookies 3rd Party não serão mais suportados pelo navegador.

Leia também: O que você precisa saber sobre o fim dos cookies 3rd party

Mesmo antes do anúncio oficial, essa é uma mudança que não surpreendeu pesquisadores e inovadores do campo da Ciência de Dados.

Ela vai ao encontro do novo paradigma de privacidade adotado ao redor do mundo. No Brasil, é importante ressaltar que essa transição deve ser pensada e feita em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Nesse contexto, os cookies primários ou first party ganham ainda mais importância dentro de uma estratégia de dados que esteja de acordo com as novas regras e, ainda assim, mantenha-se eficiente.

Diferença entre cookies first party e de terceiros

São chamados de primários os cookies utilizados por um determinado domínio para uso dentro de suas páginas. Por exemplo: se dentro do site da Tail tiver cookies, quando o usuário acessar o endereço, suas informações ficarão registradas para análise da Tail, caso o usuário dê o seu consentimento.

Já os cookies de terceiros são aqueles criados por outros sites que não os donos do domínio. Um exemplo para ficar mais claro: quando você encontra uma publicidade de uma marca dentro de um site de notícias, os cookies dessa publicidade não pertencem ao site de notícias, portanto, são de terceiros.

Para se aprofundar sobre o assunto, indicamos o artigo do nosso blog Cookies Primários ou Cookies de Terceiros? Saiba por que escolher o primário.

Dicas para montar uma estratégia baseada em cookies first party

Como comentamos anteriormente, o fim dos cookies 3rd party é algo em consonância com o novo modelo de captação e utilização de dados.

Nesse sentido, o fato da mudança anunciada pelo Google ser gradual e acontecer somente ao longo de 2022, dá tempo para lacunas serem preenchidas e novos caminhos desenvolvidos.

Existem alguns passos que as companhias já podem começar a implantar para que essa transformação aconteça da forma mais natural, orgânica e eficaz possível.

Confira abaixo os principais:

1) Tecnologias e plataformas

Sem dúvidas, pesquisadores e organizações voltadas para o estudo e aplicação de dados são os profissionais do mercado mais preparados e focados no desenvolvimento de alternativas dentro deste novo modelo.

Entre as ferramentas disponíveis no mercado, com certeza destacam-se as Customer Data Platforms (CDPs).

Customer Data Platform é uma tecnologia inovadora que reúne dados estratégicos, de diferentes fontes, do consumidor de uma determinada empresa.

Abastecida com estes dados, ela consegue traçar um perfil levando em consideração dados de busca, demográficos, comportamentais dentro do site, de compras anteriores, relacionamento com a empresa, interação por diferentes canais, entre outros.

O perfil é desenhado usando a tecnologia de machine learning para entender a interação das informações. Assim, é possível ter uma visão ampla do relacionamento do consumidor com a marca.

A Customer Data Platform consegue analisar informações de diferentes canais, aglutinando as interações no site, aplicativo e redes sociais da empresa. 

Com isso, os gestores podem ter acesso a como o consumidor está usando os serviços e produtos e no que está interessado, otimizando suas campanhas e estratégias.

Ao contrário do que muitos pensam, essa é uma ferramenta que pode ser usada por empresas de todos os portes e, portanto, ter uma solução como essa à disposição e que foi desenvolvida por quem mais entende do assunto pode fazer a diferença em um mercado digital cada vez mais competitivo.

As CDPs já são amplamente usadas, e com o anúncio de fim dos cookies 3rd party, a tendência é receberem  ainda mais importância.

2) Gestão dos Dados, capacitação e atualização dos profissionais

Obviamente, de nada adianta ter uma grande quantidade de dados em mãos caso você não esteja devidamente orientado para analisá-los e utilizá-los da forma correta.

Por isso é importante que você e sua equipe estejam preparados para lidar com as informações coletadas.

Aqui há também um erro no senso comum: muitos tomadores de decisão pensam que a utilização de ferramentas como a CDP e o uso da Ciência de Dados exige um conhecimento técnico avançado de como essas estruturas funcionam.

Contudo, bons provedores dessas soluções estão prontos para treinar e capacitar os profissionais das companhias a utilizarem esses dados.

Além disso, as próprias ferramentas foram programadas para serem usadas de forma intuitiva e que facilitem os processos.

Iniciativas como a Tail Academy preparam, capacitam e atualizam profissionais a atuarem nesse campo, evitando possíveis erros de análise.

3) Otimização de processos

Por fim, todas essas transformações têm em mente um propósito: maior segurança e conforto na navegabilidade dos usuários.

E o desafio de se adaptar aos novos padrões deve ser encarado como uma oportunidade pelas empresas.

É cada vez mais nítido que o consumidor não está mais só à procura de um bem ou serviço, mas de uma experiência. É a tão falada cultura centrada no cliente.

Desta maneira, as organizações precisarão desenvolver novos processos que façam com que o usuário tenha uma experiência positiva no relacionamento com a marca a ponto de sentir-se confiante e confortável com a cessão dos seus dados.

Por isso, pensar em novos processos como, por exemplo, a concessão de vantagens a quem ceder seus dados, melhorar seu sistema de pós-vendas e entender os principais pontos que fidelizam o cliente serão essenciais para traçar uma estratégia eficaz e que evite a dispersão de recursos.

Conclusão

Mesmo com o fim dos cookies 3rd party sendo efetivado apenas ao longo de 2022, esse intervalo deve ser encarado como uma chance de se adiantar e preparar às mudanças e evitar surpresas.


O uso de dados para a confecção de estratégias cada vez mais certeiras é um caminho sem volta e já representa o presente.

Estar à frente da concorrência requer, então, mais do que nunca, estar preparado.

Ficou interessado em saber mais ou com alguma dúvida sobre como criar estratégias com Cookies First Party? Entre em contato conosco que retornaremos!