Uma tarde na casa de Larry Ellison

Uma tarde na casa de Larry Ellison

Como parte do grande ano de 2018 que estamos tendo, a Tail foi selecionada para o restrito programa Oracle Startup Cloud Acceleration Program (como você pode ler neste post anterior).

Como parte do programa, estivemos na semana passada em São Francisco, Califórnia, para o Oracle Open World 2018, considerado um dos maiores eventos de tecnologia do mundo. Uma semana intensa de troca de experiências com empresas do ecossistema digital de todos os continentes, uma aula em como realizar um evento temático de uma marca, visitas à Nasa e à Singularity University e ainda uma festa de encerramento com show do cantor Beck no AT&T Park.

Mas, o grande momento, sem dúvida alguma, foi o encontro chamado de Founder to Founder, onde 30 líderes de empresas desse programa puderam estar frente à frente em sua casa, com Larry Ellison, o grande nome por trás da Oracle e chamado pela Forbes de o quarto homem mais rico do mundo.

Gosto também de pensar que Larry é um pilar, em conjunto com nomes como Steve Jobs e Bill Gates, de toda uma indústria e um ecossistema que hoje são consideradas as empresas mais valiosas do mundo. Nós, como empreendedores ad tech, naturalmente os temos como inspiração.

Abaixo coloco os três tópicos que mais me chamaram a atenção no encontro de pouco mais de uma hora em sua suntosa casa, com a provavelmente mais linda vista da Baía de São Francisco:

 

Pura energia

Se você tivesse 74 anos de idade e um patrimônio estimado de US$ 58 bilhões, o que você estaria fazendo da vida?

Larry parece incansável. Você nunca daria esta idade para ele, o típico cara que deve fazer exercícios todos os dias e ainda se sente pronto para liderar e comprar brigas gigantes no mundo da tecnologia, como querer ser o líder em computação em nuvem – brigando com Amazon, Google e afins – e ainda querendo colocar a Oracle como A grande empresa de softwares corporativos.

Lição 1, dificilmente um cara dessa envergadura não é um baita trabalhador.

 

Uma empresa para a vida toda

Empreender muitas vezes vem acompanhado da idéia de achar um bilhete premiado de loteria. Alguns anos de trabalho e alguém vai pagar milhões por minha empresa.

Esse não deveria ser o pensamento padrão de um empreendedor e sim a idéia de que ele tem a oportunidade de criar uma empresa única e que seja a empresa da vida dele.

Segundo as palavras de Larry, é fundamental não perder o foco do que você realmente acredita e ainda relembrou qual foi o seu momento ‘Eureka’, onde entendeu que a Oracle seria sua empresa da vida e não apenas algo passageiro:

(um repórter que acompanhou o encontro gravou um trecho dessa fala e vou usar para ajudar a ilustrar)

A noite em que ele e sua equipe completaram um benchmark de seu novo banco de dados contra bancos de dados IBM e DEC, e confirmaram que o banco de dados Oracle não era apenas competitivo com eles, mas já era 10% mais rápido.

“Eu saí cambaleando da sala, resmungando: ‘Somos 10% mais rápidos! Somos 10% mais rápidos! ”Repetidas vezes”, ele contou.

Ao encontrar outro executivo no lobby do prédio, Ellison contou ao homem o que os pontos de referência haviam provado e perguntou: “Você sabe o que isso significa?” O homem balançou a cabeça negativamente.

“Isso significa “essa empresa vale pelo menos US$ 100 milhões”, eu disse a ele. Isso do cara que ainda estava dirigindo um Mazda usado! ” Ellison disse. “O cara achou que eu estava perdido”, ele riu. “Mas eu sabia que tinha encontrado algo importante.”

 

Inovação, baby

Todo e qualquer líder de uma operação, seja um empreendedor ou um Head de uma grande multinacional, está sempre com a missão de se manter relevante perante o seu Mercado.

Parte do desafio está em mirar seu foco entre desenvolver seu produto com base nas necessidades atuais dos seus clientes e criar as inovações que serão as soluções do futuro para os seus clientes.

“The old solution to customers’ problems may no longer be the best solution. When you see that, it’s an opportunity—or a threat,”

A dica quente de Larry aqui é: sem a inovação você dificilmente se manterá relevante.

 

Vou tentar convencer Fernando e Fabiane a escreverem sobre a visão deles da semana em São Francisco pelo olhar de um Java Champion.

Também gostaria de aproveitar e agradecer parte do time da Oracle que fez e faz isso tudo acontecer, em especial Rodrigo Galvão, Vitor Andrade e Marcelle Paiva.

 

Paulo Planet, COO na Tail